Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos

DECRETO N.º 13.056, DE 12 DE JULHO DE 2023

Aprova o Termo de Referência do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV).

571

Por Comunicação Guaçuí, fonte Secretaria Municipal de Obras
Publicado em 12/07/2023 às 15:43  •  atualizado há 2 dias

 

DECRETO N.º 13.056, DE 12 DE JULHO DE 2023

Aprova o Termo de Referência do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV).

O Prefeito Municipal de Guaçuí, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais e nos termos do § 1º do Art. 91 e Art. 96 da Lei Complementar nº 065/2016 que instituiu o novo Plano Diretor Municipal e do Processo nº 3060/2023 da Secretaria Municipal de Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos;

RESOLVE:

Art. 1º - Fica aprovado para todos os efeitos, o Termo de Referência do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), previsto na Lei Complementar nº 065/2016.

Art. 2º - Fica fazendo parte integrante deste Decreto, o referido Termo de Referência, conforme segue em anexo.

Art. 3º - Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Guaçuí - ES, 12 de julho de 2023.

MARCOS LUIZ JAUHAR

Prefeito Municipal

DANIELLE LEITE FREITAS

Procuradora Geral do Município

MARCELLO LOUGOM RODOLFO

Secretário Municipal de Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos

TERMO DE REFERÊNCIA

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA (EIV)

IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO
 

1.1  . Informações gerais sobre o empreendimento:

a)      Nome do empreendimento;

b)      Endereço do empreendimento;

c)      Área e dimensões do terreno utilizado;

d)      Objetivo do empreendimento;

e)      Planta de localização do imóvel na escala 1/5.000, com sistema viário, nome das ruas e divisão (lotes/setores/unidades);

f)       Planta de situação do imóvel com dimensões e área do terreno, na escala 1/500, com endereço e número de inscrição imobiliária.

1.2  . Caracterização do empreendimento

a)    Área Total Construída Prevista de Construção;

b)    Área Total Computável;

c)    Taxa de uso da propriedade/terreno;

d)    Número de unidades previstas e suas áreas, caracterizando seu uso;

e)    Número de vagas de estacionamento;

f)     Número de pavimentos e volumetria (3D);

g)    Demanda de água, esgoto sanitário;

h)    Demanda elétrica;

i)     Demanda de drenagem pluvial.

j)     Apresentação de projeto estrutural

k)    Projeto de combate e risco de incêndio aprovado pelo Corpo de Bombeiros.

1.3  . Identificação do Responsável Técnico pelo Estudo de Impacto de Vizinhança

a)      Nomes dos integrantes da Equipe Técnica;

b)      Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) do responsável pela Elaboração do Estudo devidamente quitada junto ao Conselho de Classe;

2. SISTEMA VIÁRIO

a)    Caracterização física e operacional das vias de acesso à região e ao terreno, compreendendo a marcação dos pontos de parada de transporte coletivo e pontos de táxi, localização de áreas estacionamento, marcação dos acessos de veículos, localização das áreas de carga e descarga de mercadorias, sentidos de tráfego, sinalização e outros. A sinalização viária existente deverá atender as convenções adotadas pelo CONTRAN.

b)    No segmento das ruas junto às testadas do terreno, em toda a extensão da quadra de inserção do empreendimento, serão demarcados em planta: telefones públicos, hidrantes, bancas de revistas e arborização pública ali existente.

c)    Deverão ser realizadas contagens nas seguintes interseções: (listar as interseções que merecem ser pesquisadas) As contagens de tráfego direcional e seletiva deverão ser realizadas em dias típicos (Terça-feira a Quinta-feira) no período de pico de 16:30 às 19:30 horas.

d)    Análise da capacidade viária e determinação do nível de serviço atual. A análise da capacidade viária das aproximações deverá ser determinada de acordo com seu horário de pico, e não com picos separados por movimento.

e)    Alocação do tráfego futuro na rede viária de acordo com o comportamento do tráfego atual;

f)     Definição da capacidade viária e do nível de serviço futuro, que deverá ser definido considerando as viagens geradas pelo empreendimento em questão.

g)    Dimensionamento e localização de vagas de estacionamento de automóveis no empreendimento em questão com localização em planta;

h)    Dimensionamento do número de coletivos necessários para atender os futuros usuários do empreendimento em questão utilizando-se deste modal;

i)     O empreendimento em hipótese alguma poderá obstruir as vias de acesso ao empreendimento, como por exemplo deposição de entulhos, deposição de material civil a ser utilizado, dentre outros.

3. ESTUDOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DIRETA

3.1. DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

a)      Mapear uso do solo lote a lote, considerando as seguintes classificações: Residencial unifamiliar, residencial multifamiliar, não residencial, misto e áreas livres de usos público (praças);

b)      Quantificação dos lotes (valores absolutos e percentuais) com vinculação às diferentes categorias de uso;

c)      Mapear gabarito por lote. Agrupar gabaritos considerando as seguintes faixas de classificação: vazio; 01 a 03 pavimentos; 04 a 07 pavimentos; 08 a 12 pavimentos; acima de 13 pavimentos.

d)      Apresentar valores médios de mercado dos imóveis, considerando diferenças de localização; tamanho e perfil dos imóveis; uso residencial e não residencial; oferta de vagas de garagem, áreas de lazer e outros.

e)      Mapear perfil dos usos não residenciais, por predominância nas diferentes partes, com relação ao porte, tipo de atividade, potencial de impacto e raio de atendimento.

f)       Caracterização socioeconômica da região atendida pelo empreendimento.

g)      Deve-se realizar o estudo de perfil de solo, caracterizando o mesmo em função de suas características morfológicas, físicas e químicas.

DA CIRCULAÇÃO DE PEDESTRES
a)      Avaliar a circulação de pedestres no entorno do empreendimento, considerando os principais eixos de acesso, segundo os seguintes critérios:

1.      Determinação das linhas de fluxo de pedestres;

2.      Inventário dos principais problemas/obstáculos encontrados pelos pedestres durante o seu trajeto (buracos, equipamentos públicos mal localizados, raízes de árvores, rampas, etc.) nas linhas de fluxo estudadas, com marcação em planta.

3.      Descrição das calçadas: material utilizado, largura e comprimento do calçamento, rampas de acesso, e outros.

5. ESTUDOS SOBRE A PAISAGEM

O Estudo da Paisagem deverá abranger:

5.1. Descrição da paisagem circundante à obra, considerando a escala municipal, destacando e qualificando os seguintes componentes:

a)    Componentes Geológicos: Topografia e afloramentos rochosos
b)    Componentes Hídricos: Presença de massas de água.
c)    Componentes Biológicos: Presença de coberturas e massas vegetais.
d)    Componentes Antrópico: Caracterização e análise da composição volumétrica do entorno.
e)    Componentes Históricos-Culturais: Identificação dos elementos singulares e/ou de valor histórico, cultural e paisagístico existentes na paisagem do entorno.
 

OBS.: Deve-se avaliar as estruturas, benfeitorias e demais construções vizinhas ao empreendimento, considerando a existência de trincas, rachaduras, desníveis e demais patologias, identificando sua existência e sua intensidade mediante a instalação do empreendimento, obrigatoriamente sendo executada antes e após a instalação do empreendimento.

5.2.             Caracterização do terreno em estudo em função do grau de visibilidade estabelecido entre o mesmo e os espaços públicos do entorno, abrangendo a escala municipal.

               Avaliar:

ü  Possibilidades de composição de cenas visuais estabelecidas de dentro para fora da área de localização do empreendimento.
ü  Possibilidades de composição de cenas visuais estabelecidas de fora para dentro da área de localização do empreendimento.
ü  Sequências visuais componentes dos principais eixos e cones de aproximação e acesso ao empreendimento, considerando tanto circulação de pedestres como veículos. (As cenas deverão ser elaboradas considerando a altura média definida em estudos de antropometria do brasileiro).

5.3.              Simulação gráfica de inserção do empreendimento e avaliação de impacto

ü  Deverá ser realizada a simulação gráfica da inserção do empreendimento que permita uma clara comparação entre o antes e o depois da inserção do empreendimento. As cenas deverão ser elaboradas considerando a altura média do brasileiro, definida em estudos de antropométrica.
ü  Caracterizar as alterações ocorridas na paisagem a partir da inserção do empreendimento – alterações de abertura visual e visibilidade de céu; obstruções totais ou parciais de elementos de composição da paisagem, naturais ou construídos; interações com marcos visuais; e outras interferências na paisagem.
ü  Identificação e atribuição de valores ao impacto do empreendimento sobre a paisagem, classificando-os quanto à intensidade de impacto (inexistente, baixo, médio, alto – caracterizando, para o caso em análise, os critérios de classificação adotados).
5.4.              Proposta de medidas mitigadoras ou corretoras do impacto.

Considerando os impactos verificados no item 5.3, apresentar e simular propostas de medidas mitigadoras e ou corretoras dos impactos.
 

6.       DOS ESTUDOS AMBIENTAIS

Conter os seguintes itens ambientais e outros que se fizerem necessários:

§ Definição e relato de todas as fontes de poluição hídrica, atmosférica, sonora, e de solo, geradas na fase de implantação e operação do empreendimento;

§ Estimular a redução dos níveis de poluição visual, sonora, do ar, das águas e dos solos, considerando a preservação e recuperação de áreas verdes e de importância paisagístico-ambiental do Município.

§ Proposição de medidas de controle para as fontes de poluição identificadas, nas fases de implantação e operação do empreendimento; contendo:

a)      Poluição Hídrica

§ Definição e proposição de controle para os efluentes líquidos domésticos, incluindo o canteiro de obras e funcionamento do empreendimento, de acordo com a NBR 7229

§ Definição e proposição de controle para os efluentes líquidos abrangendo as atividades de umectação, drenagens e lavagem de materiais, veículos e equipamentos e outras atividades na fase de implantação do empreendimento;

§ Situação do terreno em relação ao corpo receptor, e identificação do ponto de lançamento do efluente das águas emitidas pela instalação da obra;

b)     Poluição Atmosférica

§ Definição de fontes e proposição de tratamento para as emissões atmosféricas, abrangendo as atividades desenvolvidas no canteiro de obras, inclusive demolições e vias de acesso com emissão de material particulado gerado na movimentação de veículos, operação de máquinas e equipamentos, arraste eólico, incluindo atividades geradoras de névoas, vapores e fumos, dentre outras, decorrentes da implantação e funcionamento do empreendimento;

c)      Poluição Sonora

§ Definição de todas as fontes geradoras e proposição de medidas de controle para poluição sonora no período de implantação e funcionamento do empreendimento.

§ Definir e relatar tratamento acústico para minimizar emissões de ruídos até limites máximos de pressão sonora, permitida para a zona de uso limítrofe ao empreendimento, gerada por equipamentos de sonorização de ambientes.

d)     Resíduos Sólidos

§ Caracterizar e relatar o acondicionamento, coleta, transporte e destinação final dos resíduos sólidos gerados, envolvendo demolições, implantação, execução e desmobilização do canteiro de obras e funcionamento da atividade, obedecendo a Norma 10. 004/2004 da ABNT e Resolução CONAMA 302/2002.

e)      Arborização Urbana

§ Identificar a quantidade de indivíduos arbóreos em área pública, constantes no raio de ação direta do empreendimento.

§ Descrever as espécies, características dendrológicas e fitofisionomia dos indivíduos presentes.

f)       Análise microclimática

§ Analisar o grau de impacto desta edificação no padrão microclimático local; abordando fatores como alteração da dinâmica local de ventos, raio de sombra, refração de raios solares e outros fatores que possam gerar desconforto ambiental gerados pelo aumento/diminuição de temperatura.

g)      Movimentação de Terra e Desmonte de Rocha

§ Previsão de alteração do perfil do terreno com detalhamento da operacionalização das atividades de movimentação de terra e/ou desmonte de rocha, com respectivas medidas de controle ambiental.

7.      DAS CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇO PÚBLICO

§  Levantamento e caracterização das redes de infraestrutura de drenagem e esgotamento sanitário.

§  Avaliação da infraestrutura pública em absorver a demanda de esgotamento sanitário e drenagem de águas pluviais geradas pelo empreendimento em análise.

8.      IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS

Elaboração de análises com base nos dados coletados procurando destacar os prováveis impactos positivos e/ou negativos do empreendimento em relação:

§  Ao meio ambiente natural e construído;

§  Aos incômodos de vizinhança;

§  Os impactos das demandas de despejos de esgoto e águas pluviais sobre a infraestrutura urbana;

§  Impactos sobre a paisagem urbana, conforme abordagem acima descrita; análise dos impactos positivos/negativos sobre os pontos/eixos e composições de cenas visuais considerando a consolidação da paisagem natural/construída na conformação da imagem urbana;

§  Impactos socioeconômicos decorrentes da instalação do empreendimento sobre a Área de Influência, tais como atração de novos empreendimentos, indução a mudanças de uso, valorização e outros;

§  Circulação de pedestres;

§  Impactos sobre o sistema viário, avaliando a necessidade de elaboração de alterações geométricas e/ou de circulação viária;

§  As operações de transporte coletivo;

§  Uso e ocupação do solo.

9.      MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS

Com base nas avaliações dos impactos previstos no item anterior deverão ser propostas medidas mitigadoras e/ou compensatórias em relação a:

·         Meio ambiente natural e construído;

·         Infraestrutura urbana;

·         Paisagem urbana;

·         Sistema viário;

·         Tratamento para área de circulação de pedestres;

·         Operação do sistema de transporte coletivo.

10.  CONSIDERAÇÕES FINAIS

A elaboração dos serviços constantes neste Termo de Referência deverá ser realizada em regime de estreita colaboração entre o empreendedor, o consultor responsável pela elaboração do estudo e a municipalidade, com uma permanente troca de informações e conhecimentos.

A metodologia de apresentação do Estudo de Impacto de Vizinhança deve estar estruturada, tanto literária, quanto graficamente, sugerindo-se recursos que facilitem a leitura, compreensão e apreensão do produto final.

Os mapas deverão incluir legenda, referência, rótulo com título, número do desenho, autor, proprietário, data e orientação geográfica, podendo ser acondicionados em embalagem plástica e incorporados ao documento principal.

A aprovação e licenciamento de estudos e projetos de empreendimentos desta tipologia deverão estar em concordância com os dispositivos técnicos e legais vigentes, de forma a minimizar os impactos negativos e potencializar os positivos para o ambiente urbano e a qualidade de vida da população.

Deverão ser encaminhados à Comissão Técnica de Avaliação da Municipalidade, 02 (dois) volumes impressos. No desenvolvimento do texto deverão ser observadas as numerações relativas às tabelas, figuras, mapas e demais dados que venham a ser acrescentado ao texto bem como a numeração de páginas.

O Estudo de Impacto de Vizinhança deverá ser apresentado ao Conselho Municipal do Plano Diretor de Guaçuí e na Audiência Pública, com a utilização de equipamentos audiovisuais, e cujos custos ocorrerão inteiramente às expensas do consultor/empreendedor e demais recursos necessários para sua apreciação e devidos encaminhamentos.

O Termo de Referência encaminhado terá validade de 01 (um) ano, a partir da data de recebimento do mesmo. Quaisquer alterações de projeto implicam em nova análise podendo inclusive vir a demandar novo EIV.

CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR O DECRETO EM PDF

CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR O TERMO DE REFERÊNCIA EM PDF

Fotos

DECRETO N.º 13.056, DE 12 DE JULHO DE 2023

DECRETO N.º 13.056, DE 12 DE JULHO DE 2023

Arquivos disponíveis

https://guacui.es.gov.br/l/cbb98.html

Publicações relacionadas

PREFEITURA DE GUAÇUÍ PROMOVE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA APRESENTAR PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA JOÃO ACACINHO

Noticia PREFEITURA DE GUAÇUÍ PROMOVE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA APRESENTAR PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA JOÃO ACACINHO  há 1 mês  •  Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos

PREFEITURA DE GUAÇUÍ PROMOVE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA APRESENTAR PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA JOÃO ACACINHO

Noticia AUDIÊNCIA PÚBLICA: REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA JOÃO ACACINHO O evento acontecerá nesta quinta-feira, 04 de abril, às 13h, no Teatro Municipal Fernando Torres. há 1 mês  •  Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos

PREFEITURA DE GUAÇUÍ PROMOVE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA APRESENTAR PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA JOÃO ACACINHO
39:59

Vídeo PROGRAMA GUAÇUÍ + AÇÃO | OBRAS  há 2 meses  •  Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos

PREFEITURA DE GUAÇUÍ PROMOVE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA APRESENTAR PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA JOÃO ACACINHO

Noticia PREFEITURA DE GUAÇUÍ CONCLUI LIMPEZA NOS CEMITÉRIOS PARA O DIA DE FINADOS  há 6 meses  •  Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos

PREFEITURA DE GUAÇUÍ PROMOVE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA APRESENTAR PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA JOÃO ACACINHO

Noticia BAIRRO GUMERCINDO DA SILVA GLÓRIA RECEBERÁ RESERVATÓRIO PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS A iniciativa, visa enfrentar desafios relacionados a prevenção de enchentes recorrentes no bairro, garantindo um ambiente seguro para os moradores. há 8 meses  •  Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos

PREFEITURA DE GUAÇUÍ PROMOVE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA APRESENTAR PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA JOÃO ACACINHO

Noticia AVENIDA SÉRGIO RICARDO JANUÁRIO COUZI ESTÁ RECEBENDO REPAROS NA PAVIMENTAÇÃO A empresa encarregada pelo recapeamento já está realizando os reparos necessários, dentro do prazo de garantia do serviço, assegurando que a pavimentação atenda aos padrões estabelecidos. há 8 meses  •  Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos

PREFEITURA DE GUAÇUÍ PROMOVE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA APRESENTAR PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA JOÃO ACACINHO

Noticia ASSINADA ORDEM DE SERVIÇO PARA CONSTRUÇÃO DE UM CAMPO BOM DE BOLA NA PRATINHA DE SANTA LUZIA  há 9 meses  •  Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos

PREFEITURA DE GUAÇUÍ PROMOVE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA APRESENTAR PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA JOÃO ACACINHO

Noticia PREFEITURA DE GUAÇUÍ ENTREGA OBRAS DE REVITALIZAÇÃO DO CALÇAMENTO DA AVENIDA JOSÉ MORAES MOULIN  há 9 meses  •  Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos

PREFEITURA DE GUAÇUÍ PROMOVE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA APRESENTAR PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA JOÃO ACACINHO

Noticia PREFEITURA DE GUAÇUÍ REALIZA ENTREGA DE NOVOS UNIFORMES PARA SERVIDORES DA SECRETARIA DE OBRAS O objetivo da aquisição é zelar pela segurança e bem-estar dos trabalhadores do setor. há 9 meses  •  Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos

PREFEITURA DE GUAÇUÍ PROMOVE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA APRESENTAR PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA JOÃO ACACINHO

Noticia PREFEITURA DE GUAÇUÍ INICIA OBRAS DE DRENAGEM NA RUA FRANCISCO GOMES DE AZEVEDO Por meio dessa intervenção, a água das chuvas será direcionada de forma adequada para os sistemas de escoamento. há 9 meses  •  Obras, Infraestrutura e Serviços Públicos

Aguarde, enviando dados!

clear

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

aceitarpolítica de privacidade